Enfermagem e humanização estão interligadas desde a graduação

Por
0 0 0 Sem comentários

Sabe aquela clássica pergunta que quem pensa em fazer algum curso superior da área da saúde deve se fazer: “você gosta de gente?”. Então, no caso de Enfermagem, essa pergunta deve ser feita o dobro de vezes, já que a profissão exige gostar muito, mas muito mesmo de pessoas. É o enfermeiro o profissional responsável por fazer a triagem dos pacientes em vários tipos de assistência em unidades de saúde. Então, é ele que vai ter esse primeiro contato, que vai entender o que está acontecendo, que muitas das vezes vai tranquilizar as pessoas, para só depois repassar os casos para os médicos ou outros profissionais responsáveis.

Gosta muito de pessoas? Ok, já pode ticar este item da sua lista e vamos para a próxima característica: é paciente e atencioso? Isso mesmo… É o enfermeiro que será questionado o tempo inteiro pelos pacientes e até mesmo pela família, será chamado diversas vezes nos quartos, ficará responsável em administrar as equipes de técnicos e auxiliares de enfermagem para horários de medicamentos e troca de curativos, e é aquele sorriso no rosto ao dar um “bom dia” animado que pode mudar o dia de alguém que está passando por uma situação de saúde complicada.

 

Bom, você se identificou de imediato com essas características, gosta de cuidar e de trabalhar com pessoas, é atencioso e paciente, porém, não se imagina trabalhando em um hospital? E quem disse que o enfermeiro só trabalha nesse local? A área está cada vez mais diversificada e o mercado é abrangente para quem quer atuar também fora dos hospitais.

O enfermeiro pode trabalhar em clínicas de estética; na enfermagem forense, prestando assistência a vítimas de violência e auxiliando nas investigações; na geriatria, atendendo idosos em suas próprias residências, casas de repouso ou clínicas; na psiquiatria; na pediatria; na enfermagem do trabalho; além do ensino e da pesquisa científica, com a continuação dos estudos para atuar em universidades e centros de pesquisa.

E o empreendedorismo? Atualmente o enfermeiro tem se dedicado mais a entender sobre gerenciar sua própria carreira, sabia? Isso porque, recentemente, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) publicou a Resolução 568/2018 que regulamenta o funcionamento dos consultórios e clínicas de enfermagem. Com isso, esses profissionais estão autorizados a atuarem de forma autônoma, ampliando o atendimento à clientela no âmbito individual, coletivo e domiciliar.

Sobre a graduação, o curso tem a duração de 4 anos e disciplinas voltadas para ciências biológicas, além de administração, psicologia e sociologia, estão na grade curricular. Desde o início existe o contato com situações reais, que podem ser simuladas ou vividas por meio de práticas em campo, na comunidade e nas instituições de saúde, com estágios supervisionados.

E aí? Se interessou? Que saber mais sobre esse curso tão humanizado da área da saúde? Assista ao vídeo abaixo para aprender mais um pouquinho sobre enfermagem:

Comments

comments