fbpx

Já pensou em estudar no interior?

Por
0 0 0 Sem comentários

Mudar-se para o interior depois da aposentadoria! Essa é meta de vida estabelecida por muitas pessoas de grandes centros. O motivo é simples, cidades menores tendem a ser mais tranquilas, acolhedoras, facilitam o contato com a natureza, enfim, são propícias para quem quer sossego depois de anos e anos na agitação da capital. Por outro lado, tem quem nasce e crie raízes ali mesmo, e aquele que escolhe sair da cidade grande para estudar no interior, por exemplo. Mas tomar a decisão de permanecer ou mudar-se para um município menor gera inúmeros questionamentos… Por isso, este post foi produzido pensando em você que tem dúvidas relacionadas ao assunto.

Qualidade de vida e bem-estar talvez sejam os principais motivos para quem escolhe viver distante do caos das grandes cidades. Enquanto para os moradores de capitais é comum enfrentar congestionamentos, para os interioranos esse acontecimento vira até notícia! Enquanto aquele precisa acordar 5h da madrugada para chegar ao serviço ou à faculdade às 8h, no interior é comum colocar o relógio para despertar 30 minutos antes do início do expediente ou aula… Enfim, essas são apenas algumas das diferenças e, acredite, há quem goste de todas essas situações!

No entanto, existem muitas cidades que estão próximas de grandes centros, possuem infraestrutura que não perdem para capitais, mas que mantêm as características do interior. Geralmente são municípios com indústrias, universidades e que recebem muitas pessoas de fora, as quais acabam gostando daquele estilo de vida e por ali permanecem. Continue a leitura que você terá algumas peculiaridades do interior…

Estudar na capital ou no interior?

Essa é uma dúvida comum entre os vestibulandos… E não é um dilema que afeta apenas quem mora em grandes cidades e pensa em estudar no interior. O inverso também é comum, afinal, dizem que as melhores oportunidades estão nos grandes centros, então obviamente muitos jovens pensam em estudar na capital como o primeiro passo para a carreira profissional. Mas há controvérsias! Tudo é uma questão de ponto de vista, pois o mercado de trabalho é amplo e a sua dedicação para alcançar o seu objetivo contará muito mais do que a sua localização.

Por outro lado, quem foi que disse que não é possível estudar no interior e depois buscar chances de trabalho na capital? Ou, quem foi que disse que você não terá grandes oportunidades profissionais no interior? Aliás, apenas a título de curiosidade, é cada vez mais frequente as grandes indústrias migrarem para cidades menores. E tem mais, algumas áreas do conhecimento têm excelentes nichos de mercado no interior, como no caso da saúde e ciências agrárias, por exemplo.  

Certamente o engenheiro agrônomo, o médico veterinário e o zootecnista terão grandes oportunidades também longe das capitais, principalmente quando o trabalho for literalmente no campo. Isso porque esse setor é muito forte em cidades mais afastadas, onde estão os grandes e pequenos agricultores e pecuaristas. 

Uma coisa é certa, o interior brasileiro tem excelentes faculdades e universidades, sejam particulares ou públicas. Então se a sua escolha for estudar em um município mais tranquilo, sem dúvidas você terá opções para uma ótima formação acadêmica e profissional. Para não errar, confira sempre as avaliações das instituições de ensino superior junto ao Ministério da Educação (MEC), lembrando que os conceitos levam em conta diferentes critérios e podem variar de 1 a 5 (nota máxima). Saiba mais neste post.

Acesse o site de uma universidade no interior e confira as inúmeras possibilidades de cursos oferecidos.

Nem tudo são flores, então é claro que existem prós e contras em morar no interior ou na capital. Mas a proposta aqui é mostrar as vantagens para quem escolhe ficar longe da agitação dos grandes centros:

Pessoas acolhedoras

Para começar, em cidades menores é muito comum todos se conhecerem ou, ao menos, você conhecer os vizinhos do bairro. Sentar na calçada no fim de tarde com a família e amigos, tomar tereré com a turma, jogar futebol no campinho perto de casa, pedir socorro para a dona Maria, ir de carona para a escola ou faculdade com o colega que mora perto… são todas situações muito vivenciadas pela comunidade interiorana.

E não importa se você chega da agitação de outro local, rapidamente você entra no clima. Aliás, fazer amizade nestes lugares é muito fácil, pois as pessoas normalmente não são receosas com “estranho”; pelo contrário, a frase geralmente é: “gente nova no pedaço? Chama pra turma!”. E se é um mocinho ou uma mocinha que chega da capital, então… Ai o sucesso está garantido no quesito azaração!

Diversão e lazer no interior

Se você gosta de frequentar grandes casas noturnas, de ter opções para cada fim de semana curtir a noite em uma diferente, então dificilmente encontrará essa possibilidade em cidades menores. Mas isso não significa que nestes lugares a diversão também não está garantida.

Barzinhos com música ao vivo e comida boa são famosos no interior. A galera também gosta de se reunir em casas de amigos, de organizar churrascos, além das tradicionais festas universitárias. E se a intenção é o lazer mais tranquilo, muitas cidades contam com shoppings, cinemas, teatros, parques, entre outros programas.

No interior também estão as tradicionais festas de peão… Rodeios, exposições, shows, leilões, enfim…

Facilidade de locomoção

Já ouviu alguém dizer que acordou faltando 15 minutos para começar a aula e ainda chegou a tempo, mesmo morando a 5 km de distância da faculdade? Pois é, isso só é possível no interior! Na capital paulista, por exemplo, o tempo que a pessoa leva para percorrer essa distância de carro é o mesmo que o interiorano gasta para atravessar a cidade inteira.

Outra vantagem é que se a pessoa utiliza transporte público, normalmente toma um único ônibus para chegar ao destino final. Em grandes centros é comum tomar ônibus e várias linhas de metrô, por isso os moradores gastam, em média, 1 hora e meia todos os dias com deslocamento para trabalhar ou estudar.

Carona também é bem comum, porque sempre tem um vizinho ou colega que trabalha ou estuda no mesmo caminho… Também é mais barato manter seu próprio veículo, pois o gasto com combustível é bem menor. Outra possibilidade é adotar práticas sustentáveis e saudáveis para a locomoção, como o uso de bicicletas, patins, patinetes ou mesmo ir caminhando.

Run Away GIF - Find & Share on GIPHY

Maior contato com a natureza

Associar o interior com a vida no campo é normal. E quem pensa dessa forma não está errado! Sítios, chácaras e fazendas são mais comuns nas cidades menores, inclusive a galera do interior também gosta de ter um pedacinho de terra nem que seja para passar o fim de semana.

Relaxar em meio à natureza, respirar ar puro, ter contato com os animais, cozinhar em fogão à lenha, deitar na rede sentindo o cheirinho do verde, enfim, passar umas horinhas no campo é bom por demais! Para quem gosta desse lazer, certamente em cidades do interior torna-se mais fácil.

Tem mais! Para os aventureiros de plantão, há ainda a possibilidade de fazer trilhas, de se reunir com grupos de amigos e acampar em lugares alternativos, frequentar hotéis fazendas, haras, entre tantas outras oportunidades de contato com a natureza…

A imagem mostra a mão de uma mulher segurando a pata de um cavalo

Custo de vida mais baixo

A questão financeira também está entre as vantagens de viver em cidades menores, principalmente em relação às capitais. Paga-se menos em moradia, transporte, educação, alimentação, além de reduzir os gastos supérfluos, pois você estará longe das tentações dos famosos centros de compras das capitais…

No interior, costuma-se pagar um valor igual ou até menor por um imóvel bem superior. Na vida universitária, por exemplo, há opções de morar em repúblicas muito bem localizadas; em pensionatos com excelente estrutura; ou até mesmo alugar um imóvel confortável perto do campus de estudo. Pode acreditar, em qualquer dessas opções a despesa é surpreendentemente menor do que em grandes centros.

Além desses pontos mencionados, tem ainda a questão do transporte, pois os lugares são mais pertos, então utiliza-se menos combustível; gasta-se menos com transporte público, porque geralmente uma condução basta; ou pode até optar pela caminhada ou bicicleta e não gastar absolutamente nada!

Mercado de Trabalho

Muitas cidades de porte menor possuem expressivas oportunidades de emprego. Assim, é possível manter a qualidade de vida proporcionada pelo interior e alcançar a posição profissional almejada. As chances estão em grandes indústrias, usinas de cana de açúcar, hidrelétricas, grandes empresas nacionais e multinacionais, hospitais, centros de saúde, órgãos públicos, e-commerce, sendo dono do próprio negócio, entre tantas outras alternativas… E nada impede que após a formação acadêmica no interior, o recém-profissional busque chances de emprego na capital. A escolha é de cada um!

Qualidade de Vida no interior

Das dez melhores cidades para se viver, conforme ranking divulgado pelo jornal Estadão, seis são do interior e três estão no estado de São Paulo. O levantamento é realizado com base no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), elaborado em conjunto pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), órgão da ONU, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro. O cálculo segue as mesmas dimensões do IDH Global, no entanto, adequando a metodologia ao contexto brasileiro: indicadores de longevidade (expectativa de vida), renda (PIB per capita) e educação (taxa de matrícula e alfabetização).

Ficou convencido?

Caso você ainda tenha receio em sair da capital para o interior, mas tem interesse em saber mais da cidade onde a universidade pretendida está localizada, procure conversar com pessoas daquele lugar, busque estudantes nas mídias sociais ou ligue na própria instituição, pois algumas possuem setor específico para receber pessoas de fora e ajudá-las com informações sobre o campus, cidade, moradia, entre outros assuntos.  

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *