Afinal, o que é Data Science?

Afinal, o que é Data Science?

Tempo de leitura: 5 minutos

Data Science: mulher ao fundo com muitos dados e informações em primeiro plano

Só para ilustrar, se está muito quente, uma sorveteria vende bastante. Aliás, ela também sabe qual o sabor está no gosto do cliente. Pode até parecer óbvio, mas essas informações podem ser previstas com a ajuda da ciência de dados, também conhecida como Data Science. Imagine só, correlacionar a previsão do tempo com a época do ano e com sorvete que vende mais. Pense que esses dados são como um diamante bruto. Ele precisa ser lapidado e transformado em informações valiosas que ajudam nas decisões das pessoas e, porque não, das máquinas.

Antes de mais nada, compreenda que a Data Science se resume na coleta de muitos dados que auxiliam na avaliação e tomada de decisões antecipadas e em grandes quantidades. Essa é uma área recente da tecnologia e envolve desde a computação, matemática e estatística até o setor que vai usá-la. Ou seja, ela pode ser aplicada em tudo que houver dados desde a saúde, finanças, moda até a agricultura.

Como funciona a Data Science?

Em primeiro lugar, saiba que a ciência de dados usa algoritmos de Inteligência Artificial. Especialmente sobre o Aprendizado de Máquina e a Mineração de dados para conseguir fazer os modelos que ajudam no processo de descoberta. Aliás, tem um post que fala sobre a Inteligência Artificial, é só clicar aqui.

A ideia principal é encontrar a informação útil que é chamada de valores, a partir dos dados existentes. Dessa maneira, essa informação vai ajudar na tomada de decisões. Em resumo, a Data Science te dá mais confiança nas escolhas que poderá fazer.

Nesse sentido, a ciência de dados explica muito mais do que você imagina. Ela não consiste em apenas ajudar entender o porquê de a sorveteria vender mais no calor, lembra-se?  Mas também, ajuda a prever situações, como a criação de um novo saber ou de aposentar aquele que sempre fica encalhado no freezer.

Ciência de dados está presente em tudo!

Uma vez que tudo tem dados, consequentemente a Data Science está presente em muita coisa do nosso dia a dia. Por exemplo, desde aqueles produtos recomendados para você em um site de compras até a sugestão de filmes e músicas. Só para ilustrar, as suas buscas e escolhas na internet é o que te dão opções personalizadas. Toda essa mágica acontece graças à ciência de dados.

Ao propósito, os indicadores gerados com a análise dos dados também mostram qual os melhores dias e horários para vendas. Além disso, indicam quais produtos podem ser os combos mais atrativos até o estoque mais adequado para determinada época. Imagine só, roupas de inverno no verão? Não daria muito certo, né!

Do mesmo modo, na agricultura de precisão, você coleta os dados com a ajuda dos sensores para saber o que a terra precisa ou o quanto de água usar na irrigação. E na saúde! A correlação dos dados contribui com a análise dos prontuários dos pacientes e até na prevenção de algumas situações. De tal forma, até os bancos podem usar essas informações para analisar os perfis dos clientes e assim liberar ou não os empréstimos.

LGPD x Data Science

No momento em que os dados são valiosos, esse cenário de coleta e armazenamento de informação ganhou recentemente a Lei Geral de Proteção de Dados. Também conhecida por LGPD, a ideia é oferecer orientações e exigências para proteger os usuários de coletas ilegais de informações pessoais. Em outras palavras, é você que permite a coleta de dados, além de saber o que é realmente extraído.

Como ser um cientista de dados?

Ao passo que chegou até aqui e percebeu que a Data Science é uma área que tem tudo a ver com você, existem outros detalhes interessantes para saber. Sem dúvida, para trabalhar nessa área vai ter que desenvolver estratégias para analisar os dados. É você que vai lapidar o seu diamante, ou seja, preparar e tratar os dados. Além disso, terá que criar modelos a partir deles usando as linguagens de programação.

Por isso, para essa atuação serão necessários conhecimentos e habilidades em matemática e estatística, programação e banco de dados, comunicação e visualização e negócios. Por fim, saiba que para resolver todos os problemas que surgirão, a curiosidade e o raciocínio lógico são bem-vindos. Visão estratégica, proatividade, criatividade, inovação e espírito em equipe também são importantes para esse trabalho.

Formação na área

Quer saber o mais legal? Você pode fazer uma graduação na área de informática que dá conhecimentos bem aprofundados do assunto. Se identificou com a área da tecnologia e quer seguir carreira nela? Então clique nos seguintes cursos de graduação para saber mais: Ciência da Computação, Sistemas de Informação e Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Mas se já é da área, tem uma especialização feita sob medida para você. Clique aqui para saber mais sobre essa pós-graduação.

Colaboração: Mario Augusto Pazoti, professor da Fipp (Faculdade de Informática de Presidente Prudente), da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *