Faculdade de Agronomia une inovação e tradição

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Agrônomo em plantação de milho com máquina agrícola ao fundo

A pandemia do novo coronavírus veio como um tsunami na vida de todo o mundo. Ela trouxe mudanças de hábitos e também impactou de forma negativa a economia, entretanto, o único setor que se manteve de pé em meio a esse vendaval foi justamente a agricultura.

Dados divulgados pelo IBGE, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), indicam que houve um encolhimento de 10,5% no primeiro trimestre se comparado ao anterior. Essa contração afetou vários setores como a indústria e serviços, entretanto, a agricultura se mostrou contra a corrente e cresceu 0,6%.

Se ainda comparar o PIB do primeiro trimestre de 2020 em relação a 2019, constata-se ainda que a agropecuária cresceu 1,9%. Esses indicadores positivos se devem a aspectos como a safra recorde de soja e à pecuária, impulsionadas pelas exportações.

As estatísticas acima comprovam o destaque que o agronegócio tem na economia brasileira. Nesse sentido, as exigências de qualidade e o controle dos produtos de origem animal e vegetal dentro e fora do país, torna o engenheiro agrônomo um profissional indispensável. Esse profissional está envolvido em quase todas as etapas do setor, desde o plantio à colheita, a criação de rebanhos e os negócios.

Ofertado há 33 anos, o curso de Agronomia da Faculdade de Ciências Agrárias da Unoeste é pioneiro na região e já formou mais de 1,5 mil profissionais. Para aqueles que desejam formação de excelência, a universidade oferece uma infraestrutura completa com ambientes inovadores e professores altamente qualificados.

Quer saber mais sobre este curso? Confira o site e tire suas dúvidas.

Conceito MEC

A Unoeste possui conceito 4, em escala que vai de 1 a 5, conforme o último Índice Geral de Cursos (IGC) divulgado pelo Ministério da Educação (MEC). É a 3ª melhor universidade particular do estado de São Paulo e a 12ª do Brasil.

O curso de Agronomia também possui status elevado pelo órgão máximo da educação, com Conceito Preliminar de Curso (CPC) 4. Considerado excelente, está entre os cinco melhores do estado de São Paulo e é o melhor do oeste paulista.

O CPC considera quatro dimensões: desempenho dos estudantes no Enade; valor agregado pelo curso ao desenvolvimento dos estudantes concluintes (IDD); perfil do corpo docente; e a percepção do aluno sobre as Condições do Processo Formativo, obtida através do questionário do estudante no Enade. Saiba mais sobre esses e outros indicadores neste post do blog.

A Faculdade de Agronomia Unoeste também se destaca perante avaliações externas: na última edição do Guia da Faculdade Estadão atingiu 4 estrelas, sendo o melhor da região.

Metodologia de ensino

Aprender a lidar com a terra e com a cadeia animal exige muita dedicação. E para tornar o aprendizado mais leve e dinâmico, a Faculdade de Agronomia da Unoeste faz uma mistura de diferentes metodologias de ensino.

Os alunos têm a oportunidade de vivenciar desde aulas expositivas dialogadas até as atuais metodologias ativas com uso avançado da tecnologia como ferramenta de ensino.

Quando se fala de teoria, todo o embasamento chega ao acadêmico por meio de aulas expositivas, estudos de caso, portfólios pedagógicos e debates. Esse conhecimento também é reforçado com aulas práticas nas diversas estruturas da graduação.

Esse conjunto de atividades promovem a formação de competências e habilidades ao longo do curso, moldando profissionais altamente qualificados para o mercado de trabalho.

O que vou estudar?

Sempre à frente! A Faculdade de Agronomia Unoeste foi a primeira do Brasil a inserir na graduação a disciplina Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF). Para uma formação completa existe uma grande variedade de conteúdos. Confira as principais disciplinas que você irá cursar, caso escolha esse curso.

Agrometeorologia: efeitos dos fatores e elementos climáticos na produtividade agrícola;

Pedologia e Classificação do Solo: estudo das potencialidades e limitações dos principais tipos de solo do Brasil;

Máquina e Mecanização: regulagem e funcionamento de máquinas e implementos agrícolas;

Economia, Administração e Comercialização: gestão econômica das propriedades e compreensão dos processos logísticos envolvidos na cadeia produtiva;

Fertilidade do Solo: compreensão dos fatores que formam um solo produtivo e como manejar a fertilidade para obter altas produtividades;

Fisiologia Vegetal: estudo do crescimento e desenvolvimento das plantas;

Topografia e Geoprocessamento: estudo de tecnologias avançadas em agricultura de precisão e elaboração de mapas de solo;

Entomologia Agrícola: estudo do manejo das principais pragas agrícolas;

Nutrição de Plantas: estudo da importância e função dos nutrientes para as plantas;

Melhoramento de Plantas: estudo de ferramentas para melhorar a produtividade das plantas, principalmente com o forte advento da biotecnologia na agricultura;

Biologia e Controle de Plantas Daninhas: estudo das principais espécies de plantas daninhas e como manejá-las de modo a evitar prejuízos nas lavouras;

Manejo de adubos e corretivos: formulação e recomendação de corretivos e adubos agrícolas;

Irrigação e Drenagem: estudo sobre sistemas de irrigação e cálculos de irrigação na agricultura;

Olericultura, Fruticultura e Culturas Agrícolas: disciplinas estudam todo o sistema de produção de uma cultura, passando pelas hortaliças, frutíferas e grandes culturas agrícolas;

Agricultura Sustentável: estudo sobre a produção de alimentos e energia de forma sustentável, ou seja, promovendo desenvolvimento econômico e social com respeito ao meio-ambiente.

Quer saber mais sobre o curso de Agronomia da Unoeste, acesse o site e tenha mais informações sobre esse universo repleto de conhecimento, inovação e muita prática.

Estrutura completa

Contando com as áreas experimentais, a Unoeste soma mais de 5 milhões de metros quadrados. A Faculdade de Agrárias possui ambientes exclusivos localizados no campus 2 e na Fazenda Experimental da universidade. Para garantir a formação de excelência, fortalecendo o processo de ensino e de aprendizagem, a instituição oferece dezenas de laboratórios com modernos equipamentos e recursos tecnológicos de ponta.

Área Agrícola

É ao ar livre e em contato com a terra que o acadêmico da Faculdade de Agronomia aprende. Na Área Agrícola, por exemplo, ele é inserido desde o início do curso e por meio desse ambiente conhece de perto culturas como a soja, o café e o milho.

O ambiente está localizado no campus 2 da universidade e possui uma área de 20 hectares. Sabe aquela frase: quem planta colhe? Pois bem, na Área Agrícola o futuro agrônomo aprende sobre todos os processos de cultivo, desde o preparo do solo, o plantio, o controle de pragas, até a colheita.

Fazenda Experimental

A Faculdade de Agronomia da Unoeste coloca o estudante diretamente no campo. Para se ter uma ideia, a universidade possui uma fazenda exclusiva para a aquisição de conhecimento.

A propriedade possui 125 hectares, ou seja, mais de 1 milhão de metros quadrados que garantem uma imersão total no conteúdo visto em sala. Localizada em Presidente Bernardes (SP), o ambiente recebe aulas práticas, além de abrigar experimentos de Trabalhos de Conclusão de Curso e de projetos de pesquisa.

A Fazenda Experimental também é cenário do tradicional Dia de Campo da graduação. Nesse momento, as porteiras se abrem para a comunidade externa e há uma troca de conhecimento fantástica. É a tecnologia do campo que ensina e chega ao produtor rural.

Casas de Vegetação

Localizado no campus 2 da Unoeste, o ambiente proporciona ao futuro engenheiro agrônomo um ambiente mais controlado para o desenvolvimento das plantas. Atualmente, são 7 casas de vegetação e nelas são realizados projetos de pesquisa voltados à iniciação científica e pós-graduação em Agronomia. Entretanto, esses espaços estão associados ao curso de Agronomia.

Horta Agronômica

Com cerca de 10 mil metros quadrados, a Horta Agronômica cultiva espécies como alface, almeirão, chicória, rúcula, berinjela, pimentão, pepino, brócolis, cebolinha, salsa, coentro, hortelã, couve, cenoura, beterraba e quiabo.

É aqui que o aluno aprende a cultivar legumes e verduras. A horta da Unoeste também sedia aulas práticas, experimentos e visitas de outras instituições. Além disso, a maior parte da sua produção serve para abastecer o Restaurante Universitário da Unoeste.

Centro de Pesquisa em Ecofisiologia do Oeste Paulista (Cevop)

Se além do campo, você tem interesse pela pesquisa, a Faculdade de Agronomia também oferece meios para se qualificar. Destaque para o Centro de Pesquisa em Ecofisiologia do Oeste Paulista (Cevop) que foi fundado em 2004.

Nesse local são desenvolvidos diversos estudos e pesquisa que buscam resolver questões complexas da agricultura, especificamente, na fisiologia vegetal que está ligado ao complexo e dinâmico reino das plantas.

É por meio das atividades do Cevop que os acadêmicos são preparados para a carreira científica. Vários profissionais, professores e pesquisadores passaram pela formação de ciência e pesquisa em fisiologia de plantas do Cevop. O ambiente conta com o que há de mais moderno e completo em infraestrutura de pesquisa nessa área.

Para ficar um pouquinho mais por dentro desse espaço, você precisa saber que a fisiologia vegetal estuda o comportamento da planta nos diversos contextos onde ela está inserida no ambiente. Esse conhecimento também é importante para o engenheiro agrônomo que também lida com a terra, pois todo o conhecimento ligado aos sistemas fisiológico e bioquímico da planta, fortalece as suas práticas agrícolas e ajuda nas tomadas de decisões no campo.

Estação Meteorológica

Será que vai chover? Essa é uma das dúvidas relevantes para quem cultiva a terra. As informações sobre o clima e o tempo são importantes aliadas do homem do campo e, nesse sentido, a Unoeste possui a Estação Meteorológica “Professor Vagner Camarini Alves”.

Atualmente, existem três estações em dois locais diferentes. São elas: a estação convencional, com registros de mais de 30 anos, e a estação automática, com registros a partir de 2018, ambas no campus 2. Além da estação automática, também desde 2018, localizada na Fazenda Experimental.

É na estação meteorológica que são realizados estudos específicos para região, bem como a publicação de boletins e comunicados agroclimáticos. Ainda, os dados podem ser acessados de forma gratuita. Por conta disso, fica mais fácil observar os efeitos positivos e negativos do clima sobre a produtividade agrícola em nossa região.

Máquinas e implementos

O homem do campo precisa de ferramentas que possam ajudá-lo no cultivo das plantas. Para o engenheiro agrônomo também é importante que ele saiba manusear tais equipamentos.

Na Unoeste, as máquinas e os implementos são utilizados em aulas práticas e trabalhos de pesquisa que vão desde a graduação até a pós. Ao todo são cinco tratores e diversos implementos (duas semeadoras de plantio direto, grades e niveladoras, terraceador, calcareadeira, dois distribuidores de adubos, classificador de grãos, roçadeiras, enleirador, sulcador de cana-de-açúcar, adubadores, colheitadeiras de silagem e grãos, além de dois pulverizadores.

Viveiro de mudas

Já parou para pensar de onde vem aquelas plantas bonitas que se vende no mercado? Pois bem, antes dela chegar até lá, geralmente, passou por um viveiro. É nesse espaço que muitas plantas são cultivadas e preparadas para ir diretamente ao solo.

No Viveiro da Unoeste são produzidas mais de 10 mil mudas por mês entre espécies ornamentais como moreia, dama-da-noite e a palmeira imperial; nativas como jequitibá-rosa, ipês de diversas cores e aroeira; além das frutíferas como jabuticaba, carambola, pitanga e jaca.

Parte da produção desse local é para uso interno, entretanto, também são disponibilizadas mudas para doações à comunidade. Para o futuro agrônomo, o espaço serve para aulas práticas e estágios. Aqui ele tem a chance de aprender desde a coleta da semente e a germinação, o preparo da terra, o plantio até os cuidados com o crescimento.

Piscicultura

O futuro engenheiro agrônomo também conhece os diversos sistemas de produção animal durante a graduação. Para isso, a universidade tem espaços específicos e diferenciados como o setor de Piscicultura.

Em uma área de 22 mil metros quadros, o local abriga 22 tanques que produzem cerca de 60 mil alevinos por ano. Dentre as espécies estão o pacu, o piauçu, a curimba, a carpa colorida e a tilápia. Por meio das aulas e estágios, o universitário aprende desde o manejo dos peixes até o abate.

Esse setor também conta com um ranário com mil rãs que são utilizadas para estudos de reprodução e engorda. Além disso, o Laboratório de Abate oferece uma visão única sobre o processamento dos pescados.

Sala Betha

A Sala Betha está localizada no campus 1 e é o espaço que reúne tecnologias de ponta, como: mesas interativas, realidade aumentada, holografia, peças impressas em 3D, celulares, tabletes e projetores de alta definição.

Os cenários, dentro da metodologia proposta, começam com realidade aumentada, e sempre na mesa tem um celular, uma carta e uma peça impressa em 3D. Com o celular, o aluno vê o que tem na carta; com a realidade aumentada começa a comparar com aquilo que está vendo na mesa e com a peça impressa, assim, em 10 minutos ele já tem toda uma perspectiva em vários ângulos. A Sala Betha permite inúmeras possibilidades, integrando sempre a tecnologia e a educação.

Laboratórios para a prática acadêmica

Botânica: direciona os estudos da fisiologia, morfologia, ecologia, evolução, anatomia, classificação, doenças, distribuição, dentre outros aspectos das plantas.

Cultura e de Tecidos Vegetais: nesse ambiente, os tecidos vegetais são isolados e assepticamente cultivados em meio de cultura para o desenvolvimento de estudos e pesquisas relacionadas à propagação vegetativa in vitro de espécies.

Biologia celular e molecular: visa o estudo da vida, desde o seu surgimento, composição e constituição, até a sua história evolutiva, aspectos comportamentais, relação com outros organismos e com o ambiente

Entomologia: tem como objetivo gerar, adaptar e validar tecnologias ambiental e socialmente sustentáveis, de base ecológica, para o manejo de pragas (insetos e ácaros).

Genética: leva ao estudo da constituição citológica de órgãos e sistemas e os aspectos envolvidos nas estruturas celulares, os genes e os mecanismos que garantem a hereditariedade.

Fertilizantes e corretivos: a partir de análises, tem-se como objetivo verificar a veracidade das informações fornecidas pelos fabricantes de fertilizantes e corretivos, ou verificar sua composição na propriedade rural.

Nutrição Animal: onde são realizadas análises bromatológicas em amostras diversas de alimentos (rações e ingredientes em geral) empregados em nutrição animal e de excretas, objetivando estudos de digestibilidade.

Tecnologia de Alimentos: destina-se ao estudo das características físicas, químicas e nutricionais dos alimentos.

Fitopatologia e Microbiologia: destina-se a atividades de pesquisa na diagnose de doenças, estudos de interação planta-patógeno e manejo integrado de doenças.

Bioquímica: permite o desenvolvimento de habilidades de estudo nas reações análises bioquímicas.

Sementes: realiza análises para a determinação da qualidade física, fisiológica, genética e sanitária de sementes de diferentes culturas.

Solos: tem como objetivo principal quantificar algumas características químicas e físicas, o que permite recomendações de insumos mais eficientes e a avaliação do período de plantio de culturas.

Hidráulica e Saneamento: é possível verificar as maneiras mais efetivas para atingir a maior eficiência energética e hidráulica, levando em consideração a seleção, instalação e operação dos equipamentos. A ideia é simular diversas possibilidades.

Mecânica do Solo e Geotecnia: proporciona aos acadêmicos estudos de ensaios nas áreas de mecânica dos solos, mecânica das rochas, geologia de engenharia, monitoramento e instrumentação geotécnica, solos não saturados e geotecnia ambiental.

Estruturas, Topografia e Geoprocessamento: possibilita estudos geológicos, pesquisa mineral, projetos de obras civis, cadastramento rural e urbano, inventários florestais e rurais, regularização fundiária, reconstituição de loteamento.

Rede de Bibliotecas

A Rede de Bibliotecas da Unoeste conta com mais de 255 mil exemplares, além de bibliotecas virtuais com quase 18 mil títulos. Para os pesquisadores, a universidade também oferece o Portal de Periódicos da Capes, que é uma base mundialmente conhecida, com periódicos relevantes em todas as áreas do conhecimento. São 136 bases disponíveis com artigos na íntegra.

Os alunos têm fácil acesso a unidade de informação do campus 2 que possui acervo aberto, ou seja, o próprio acadêmico tem acesso às obras, sala de multimídia e de estudos. Outro destaque existem cerca de 3,5 mil livros específicos para a Faculdade de Agronomia.

Empresa Júnior

A Faculdade de Agronomia conta com a Agripec Jr. que possibilita aos alunos uma experiência diferenciada. Por meio dessa empresa júnior os futuros profissionais, sob orientação dos professores, prestam assistência técnica aos produtores da região.

Atlética de Agronomia

A Faculdade de Agronomia também incentiva a prática esportiva. Tanto é que possui a Associação Atlética Acadêmica de Engenharia Agronômica. Por meio desse grupo, os alunos se organizam para a participação de eventos ligados ao esporte como o Intercursos e o Intercalouros.

Grupos de Pesquisa

Aproximadamente 35% dos alunos participam dos 14 grupos de pesquisa do curso de Agronomia. São desenvolvidas diversas atividades que envolvem diferentes culturas e segmentos de agrárias. Esses momentos são enriquecedores e proporcionam um olhar mais amplo sobre a futura atuação.

Toda a produção de conhecimento desses grupos também são importantes para o homem do campo, já que essas informações chegam até ele e podem contribuir com os diferentes sistemas de produção animal e vegetal.

Projetos de Extensão

Simpósios, dias de campo, workshop, palestras e visitas técnicas estão entre as atividades de extensão promovidas pela Agronomia Unoeste. Já foram contabilizados mais de 3 mil atendimentos de extensão, 360 programas e mais de 2 mil atividades.

Dentre os destaques está o Programa Pequena Propriedade Sustentável (PPPS) da Faculdade de Ciências Agrárias da universidade. Por meio dele, o acadêmico de Agronomia lida com a realidade do homem do campo e contribui com a otimização de sua renda. A aplicação do PPPS começa com o levantamento dos perfis da família, da propriedade e da demanda municipal e regional para a definição do que será produzido e de que forma o estudante estará envolvido.

Qual é o diferencial do curso de Agronomia da Unoeste?

Já se convenceu de que essa é a sua área? Então, agora está na hora de entender porque fazer Faculdade Agronomia Unoeste. Estudar com professores e colaboradores altamente qualificados é um dos motivos que trazem estudantes dos vários cantos do Brasil a estudar aqui.

A infraestrutura completa e diferenciada também chama a atenção daqueles que pesquisam e se deparam com a universidade prudentina. A tradição de mais de 30 anos de ensino também deve ser levada em conta na hora da sua escolha.

Sem falar, é claro, da educação continuada na área de Agronomia. Você sabia que a Unoeste é a primeira universidade particular do Brasil a ofertar o doutorado na área? Além disso, você pode construir uma trajetória de sucesso que começa na graduação, passa por especializações até chegar no mestrado e doutorado.

Os estágios também são momentos importantes na formação e na Unoeste são diferenciados. Aqui existe um professor responsável por essa atividade que trabalha elaborando os contratos e aproximando as empresas da região com o curso.

Ainda, os professores de modo geral trabalham através de indicações específicas de alunos conforme o perfil da empresa e do aluno. Para quem deseja ter vivência fora do país, a Agronomia Unoeste também possui parceria com o programa de intercâmbio agrícola Mast e Caep.

Por conta dessas e de outras vivências, a Faculdade de Agronomia da Unoeste possibilita a construção de um conhecimento muito rico que reflete em profissionais de sucesso.

Imagem aérea do campus 2 da Unoeste mostra a imensa área verde e os blocos da universidade

Localização

A Faculdade de Agrárias está localizada no campus 2 da Unoeste, que fica às margens da Rodovia Raposo Tavares. Com 120 alqueires, o ambiente é a maior infraestrutura de todo o complexo educacional e foi projetado com aproveitamento de grandes áreas verdes. 

Mercado de trabalho para o engenheiro agrônomo

Ao longo dos seus 33 anos, a Faculdade de Agronomia já formou mais de 1,5 mil profissionais, com uma taxa de empregabilidade de 80%.

Esse profissional é responsável por ampliar a produção agrícola, cuidando do controle de pragas e da renovação da terra. Ele também pode trabalhar com a biotecnologia e as produções animal e vegetal. Ele está presente em todo o processo de cultivo do alimento, desde a adubação, irrigação, plantio, colheita, controle de ervas daninha até a comercialização da lavoura.

O engenheiro agrônomo pode atuar dentre e fora das porteiras, já que possui uma formação abrangente que contempla conhecimentos que se entrelaçam nas áreas de exatas, biológicas e humanas. Essa profissão é uma das mais antigas de agrárias, já que ela foi regulamentada por Getúlio Vargas há 87 anos. O Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) traz as 23 atribuições para esse profissional.

Saiba mais sobre a profissão neste vídeo:

Entretenimento na universidade

A Unoeste possui uma preocupação com a formação do acadêmico que vai além da sala de aula, incentivando em suas dependências a prática da atividade física. No campus 1, o Palácio de Esportes é destaque pela sua estrutura e diversidade de atividades: abriga quadra poliesportiva, arquibancadas, salas para aulas aeróbicas, piscina semiolímpica, além Academia Unoeste.

Na universidade, o estudante é incentivado a momentos de lazer com os eventos culturais e jogos universitários. O curso de Agronomia conta com a atlética da graduação que promove treinos em várias modalidades esportivas, além de competições internas. A Associação Atlética Acadêmica de Agronomia é formada pelos estudantes com o intuito de integrar os próprios alunos, com foco na vida esportiva na faculdade, com a organização de jogos e campeonatos, além da recepção dos calouros, eventos sociais e científicos.

Suporte universitário

Olhar o aluno como um todo, em todas as suas especificidades, também é papel da universidade. É fato que existem vários fatores externos que podem interferir no aprendizado, por isso os acadêmicos da Unoeste têm outros suportes como o Núcleo de Apoio ao Estudante (NAE) e o Serviço Universitário de Apoio Psicopedagógico (SUAPp).

Três profissionais do NAE estão sentadas e atendem duas estudantes que estão sentadas de costas

O NAE promove o acolhimento do estudante de forma integral em conjunto com as coordenações e os professores, fornecendo inclusive informações gerais aos pais ou responsáveis. Está presente durante todo o curso, ajudando os acadêmicos na construção de carreiras através da Central de Estágios, que tem o objetivo do ingresso deste aluno no mercado de trabalho através da divulgação de vagas para estágios e efetivas, auxiliando-os também na elaboração de currículos e dicas para entrevistas de emprego. Saiba mais no site.

Já o Serviço Universitário de Apoio Psicopedagógico visa acolher, orientar e aconselhar o acadêmico sobre as possíveis dificuldades no processo de aprendizagem. A universidade conta com psicólogas em todos os campi e o agendamento pode ser feito no site da Unoeste, Área do Aluno, na aba “Serviços”, no ícone SUAPp.

Quer saber mais?

Se identificou com a Agronomia e quer saber tudinho sobre o curso na Unoeste é só acessar aqui para mais informações!



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *